Portugaltunas - Tunas de Portugal

PAULO

então e porquê "abandonar o barco"?

Em 2005 farei 10 anos de Tuno e confesso que sinto que ainda agora comecei! É na tuna que estão boa parte dos meus amigos, como fundador ainda hoje defendo a minha "dama" com toda a dedicação. Não encontro nenhum problema no facto de dela fazer parte mais 20 ou 30 anos, pelo menos!!!! E até acho que as tunas deveriam fazer um esforço no sentido de criar condições para as várias gerações de veteranos poderem ter uma participação mais activa. A constante renovação por vezes faz esquecer quem por lá passou!
Como não me sinto desmotivado e não vejo razões para uma saída premeditada, custa-me por vezes compreender algumas das razões que levam os tunos a "abandonar" o barco! É obvio que falo daqueles que por exemplo pertenceram a uma tuna do Porto, são do Porto e Trabalham no Porto.
É de facto pena que existam essas circunstâncias, pois em Portugal existem para alem das tunas grandes grupos de amigos reunidos pelo mesmo espírito singular!

hasta

 

[ordenar tópicos dos mais recentes para os mais antigos ] [voltar aos tópicos principais] [responder a "PAULO"] [mostrar fórum em arvore] [denunciar abusos]


responde a PAULO

É pá... que fixe... Podes-me dizer mais precisamente o dia e o mês para eu anotar aqui na agenda do telemóvel... é que comprei um novo hoje, e estou mortinho por começar a escrever algumas datas importantes... como essa...

 

[responder a "Novessetum"] [denunciar abusos]


responde a :

é pá não entendes-te nada!!!! continua a brincar com o teu telemovel novo!!!!! MODESSTUM!!!!! deve de ser do periodo....de ferias!!!!eheheheheh


um abraço amigo!!!!

 

[responder a "PAULO"] [denunciar abusos]


responde a :


Antes de mais, quero felicitar-te pelos 10 anos de Tuna! Isto sim é q é conservar o espirito academico, mesmo dp de ter o curso na mao! Posso-me gabar de ser uma das fundadoras da minha actual tuna e, estando eu a entrar no meu ultimo ano, n faço intençoes de abandonar o barco, de maneira nenhuma! A menos q o meu emprego me afaste da minha invicta!
Ja sei q poderei ser alvo de criticas, visto q uma senhora, com o curso na mao, continuar a participar nas parodias e afins pode ser mal interpretada... Mas deixa-las falar!!! Por mim, a minha Tuna poderá contar sempre cmg!

 

[responder a "Malaleuca"] [denunciar abusos]


responde a PAULO

Caro Bia, fico contente por ver esse entusiasmo após tantos anos de tuna, e ainda maisao ver a tua vontade de permanecer por mais alguns anitos (20 ou 30, hehe).
Aliás, deixa-me dizer-te que isso de ficar na tuna para sempre é algo que realmente só está ao alcance de poucos... Quando não é o trabalho ou a família ou outras coisas da vida mais importantes, também tens aquelas tunas universitárias que pelos estatutos simplesmente não permitem que os tunos continuem na tuna para além do tempo de acabar o curso.. Portanto considera-te um sortudo.
Abraço, e votos de que dure por muitos anos essa tua relação especial com a tua tuna e com os teus amigos.

 

[responder a "zooorbie"] [denunciar abusos]


responde a PAULO

..antes de mais, saudações BIAnenses!

Para lá da enorme vontade demnostrada pelo BIA neste post há algo que eu considero importante, que é a noção de espirito tunante e que ultrapassa qualquer barreira que nos é imposta.

Eu falo porque sinto a mesma paixão, pese os anos e a manifesta falta de paciência essencialmente, para certas coisas. Mas a postura, a cultura, o espírito unico e salutar das Tunas é algo que quando bem assimilado pelos seus destinatários - nós - e com vontade de aprender a cada passo, torna este pequeno mundo em algo quase essencial perante as agruras do mundo real (n que este n seja, mas o verdadeiramente real é bem mais ingrato...), o que nos pode catapultar para uma forma de estar quase profilática.

Quantas vezes não estive para me ir embora e recuei? E porque recuei? É esta questão que me assalta nesta problemática, neste tema que nos põem a cantar aquela do "quero ficar sempre estudante para eternizar a ilusão de um instante...".

Não tenhamos ilusões, os momentos dos nossos anos de tuno enquanto entudantes são únicos e não se repetem mesmo estando na tuna, isso é claro para mim. Por isso mesmo é que há que acarinhar quem continua de forma simpática e saudável, até porque a idade atribuí mais sensibilidade e bom senso e uma serenata hoje, para mim, é bem mais gratificante que um festival (sempre iguais e sempre diferentes...).

Resumidamente, ser-se Tuno nada tem a ver com andar nas tunas 5 ou 20 anos, desde que se encare cada tempo, cada momento, da forma mais simpática possivel. Trabalhar e Tunar é complicado, mas não é impossivel e até se complementam se formos a ver bem, quem não anseia por uma boa patuscada após uma semana de trabalho? Uns caçam, outros andam de mota no Estoril, nós...deu-nos para aqui e porque não? Discordo das posturas radicais e por vezes até com segundas intenções de alguns quando dizem que as tunas tão cheias de carcaças que já deveriam ter ido pregar para outra freguesia (aliás, quando as leio e/ou vejo, é logo mais um ano que fico por cá...).

O Tuno é intemporal. A vontade também. Haja arte, engenho, tempo e humildade. Continua, pois, amigo BIA, se assim te sentires capaz e melhor como pessoa. Eu cá vou continuando...até ao dia, sim, porque tudo tem um fim...

LAVS TVNAE

 

[responder a "RT"] [denunciar abusos]


responde a PAULO

Eu penso que as pessoas "abandonam o barco" por 2 grandes razões: ou porque casam e consituem família ou porque acabam o curso e existe incompatibilidade com o trabalho (mas há sempre outros casos).
Quanto a mim, espero que nenhuma das razões que apontei sejam motivo para eu abandonar a tuna (até porque apesar de estar a terminar o curso, sou nova nisto)! No entanto, há um motivo que me intriga: o deixar de me identificar com a tuna isto é, a tuna perder aqueles pequenos(grandes) aspectos que a tornam tão especial para mim! O que é certo é que nós vamos recebendo caloiros, as gerações mais novas começam a ficar mais activas, trazem novas ideias... a mudança é (quase) inevitável e não quer dizer que isso seja mau, desde que a tuna não perca a sua identidade (porque se eu sentir que a tuna já não é o que era, se não me sentir bem na tuna, aí sim... saio! E as tantas é por isto que os "velhotes" (no bom sentido) vão saindo. Acho que sair da tuna não significa abandoná-la mas para isso quer quem já saiu, quer quem lá permanece tem um papel importante, o de estar disponível/disponibilizar-se para organizar/participar nas actividades da tuna.
Falando na minha tuna, nós costumamos convidar as tunantes que não estão no activo para as nossas farras e elas próprias costumam ir ver-nos actuar dando o seu apoio e fica sempre bem convidá-las para cantar 1 música connosco, matar as saudades "do palco", da alegria, do convívio, da música, da tuna... o recordar de histórias, a sabedoria de quem já la esteve muito tempo, a experiencia adquirida, as vivencias, as aprendizagens nos bons e maus momentos... algo que não se deve perder nunca e nada como um bom convívio para expressá-lo!

Saudações e por enquanto... "Daqui não saio, daqui ninguém me tira!"

 

[responder a "Straussina"] [denunciar abusos]


responde a :

Acredito que alguns elementos pela falta de interesse ou participação nos "trabalhos" da tuna não venham contemplados no estatuto de "veteranos" das tunas ditas Universitárias e não só, mas, desconheço de facto essa injustiça "Tuno não pode terminar o curso ou sair da universidade"!!!! sabes de algum caso?
sendo assim de facto os Hinoportunos sãpo uns "sortudos"!!!!

abraço!

 

[responder a "PAULO"] [denunciar abusos]


responde a :

mais interessante do que as razões que nos levam a "decidir" "abandonar o barco", são as fortes razões que nos levam a ficar, e em alguns casos como o meu, mais uma vez!

por isso fazem muito sentido as tuas palavras!

nas adversidades, tenho dito muitas vezes "eles vão e nós ficamos"

hasta!!!

 

[responder a "PAULO"] [denunciar abusos]


responde a :

...a prática corrente é que - e até mesmo derramada estatutáriamente em alguns casos - após a licenciatura, os Tunos fiquem se assim o desejarem e não o posto, mas admito que haja casos que digam liminarmente que após o terminus do curso, o Tuno deixe de o ser (pelo menos nessa Tuna..ehehe).

LAVS TVNAE

 

[responder a "RT"] [denunciar abusos]


responde a :

por vezes somos nos que temos que ditar a nossa propria sorte... eu também ja acabei o curso e não permitirei que apareçam coisas estranhas nos nossos estatutos acerca de velhotes/as em Tuna. Se eu gosto, também quero que as outras pessoas possam proporcionar e usufruir desse prazer que é continuar ligado a Tuna. Por mais complicado que seja.
Saudações

 

[responder a "Panamá"] [denunciar abusos]


responde a PAULO

Creio que a Tuna é dos Estudantes. Quando é Tuno, é-se Tuno para sempre, mesmo não estando lá. Creio que há tempo para tudo assim como creio que a Tuna é o reflexo dos seus membros e das suas gerações.
Dou o meu exemplo. Estou a entrar na minha 4ª matricula e o meu curso tem 4 anos, mais um semestre de estágio. Quando olho para a minha Tuna, a vejo com os olhos de quem em breve vai deixar tudo aquilo, não porque quer, mas porque considero que a minha consciência mo pede, exige mesmo. A Tuna já foi minha como vai ser das próximas gerações. É essa a experiência que eu quero que elas vivam, de quando sairem da tuna tenham a sensação que a Tuna foi delas e não dos mais velhos que apesar de terem terminado o curso por lá permaneceram e continuaram a decidir os melhores rumos a tomar pela Tuna.
Uma das soluções que defendo é que esses Tunos, digamos Veteranos, deveriam permanecer na Tuna mas apenas com funções consultivas não executivas, permitindo assim aos actuais Tunos e estudantes da Faculdade poderem decidir quais os melhores desígnios da Tuna por si próprios, podendo consultar a experiência e a longevidade destes Tunos que permanecem. Eles poderão continuar a desfrutar das vivências da Tuna, mas deve a Tuna continuar a ser regida por Tunos que já acabaram o curso à anos e a única ligação que têem com a instituição e com as pessoas é apenas através da Tuna? Irei eu saber praxar um caloiro de Tuna daqui a 10 anos? saberei quais as práticas a efectuar nesse tempo? Se o tempo faz evoluir as coisas e se entram novos elementos para as Tunas, não deverão estes passar pelos mesmos papeis que os antecessores? viver os dramas e problemas? Assumirem as responsabilidades dos actos?
Usando uma analogia recente: Não é o avô que dá estabilidade e o garante lá em casa, mas é a pessoa da família por quem toda a gente tem o maior respeito.

Espero não ser mal entendido. O que eu pretendo não é mandar a velha guarda toda embora, mas é que esta deixe quem está a viver agora esta experiência única da Universidade e das Tunas, a possa viver ao máximo com todos os prós e contras. Deixem-os errar, viver, desfrutar, sentir. Talvez assim compreendam algumas coisas que ainda não compreenderam.

Abraços! ;)

 

[responder a "amon293"] [denunciar abusos]


responde a :

Não concordo nem discordo com o que dizes. Se por um lado faz todo o sentido que o estudante por excelência seja "dono e senhorda Tuna", por outro, porque hei-de abandonar algo que apesar de ja pertencer ao "passado"(meu passado), se calhar é o que me faz continuar nesta vida, dura vida de trabalhador deslocado de casa... não recrimino quem continua na sua Tuna, mas também não concordo, em casos pontuais, que esses elementos tenham cargos na Tuna. Mas também te digo, que mau pode ser, a estas novas gerações que eventualmente os velhotes não sejam tomados em consideração. Como deves constatar o pessoal já não é o que era e por vezes é preciso alguem para dar um puxão de orelhas... e por vezes se podem cometer os mesmos erros do passado.
Não é o medo dos erros que me faz continuar, mas sim o vício que tenho por este mundo, independentemente de ainda estar na Tuna, mas também saber que são, neste momento o meu alicerce pra continuar.
Se lhe querem chamar egoismo/protagonismo, sinceramente, não preciso da Tuna para continuar a assistir aos diversos eventos com a presença de Tunas, das mais variadas, mas sim, pk neste momento, aminha Tuna, é o meu elo de ligação com o mundo. E não vou dizer que me sinto frustrada com a minha profissão, simplesmente a Tuna completa o resto do meu ser.

 

[responder a "Panamá"] [denunciar abusos]


responde a :

O que escreveste é perfeitamente correcto e corroboro, obviamente. Cada tempo no seu tempo, como disse no meu post e que tu tão bem demonstras-te. Parabéns pelo post!

LAVS TVNAE

 

[responder a "RT"] [denunciar abusos]


responde a :

Não poderia deixar de referir que quando as tunas, hoje, muitas delas, existem na sua acção por meio dos veteranos e não dos estudantes que a compõem, o que torna dificil que a gestão seja somente feita por tunos estudantes.Mas mais importante que isso tudo é a noção que o Tuno estudante DEVE assumir a sua condição pois muitas vezes, se os veteranos da Tuna assumem as responsabilidades da Tuna é porque quem as deveria assumir não quer ("tenho de acabar o curso, tenho de namorar, tenho de ir dar a volta ao arroz" e outras que tais..) e, à falta de quem de direito, lá voltam os "mesmos do costume", fazendo com que 25 se divirtam á "custa" do trabalho de 5, por via de regra, os mesmos 5 á anos, não porque assim querem antes porque não há quem queira fazer o que esses 5 fazem...não sei se me fiz entender. Por isso é que concordo em absoluto que os veteranos da Tuna sejam acarinhados, em certos casos que conheço, são, até, o garante da Tuna. Se não deveria ser assim? Não. Mas não me parece que restem opções válidas por exclusão de partes. Tomara muito veterano da Tuna que merecidamente, já deveria estar somente no tal prisma "simpático", visse a mesma força, garra, vontade, dedicação hoje como se via antes e essa é a verdade, meu caro!
Penso que, não obstante, em cargos directivos executivos(Magister, Presidente, etc) estes devem ser compostos somente por Tunos estudantes. Já outros cargos não executivos podem e devem ser compostos pela "prata da casa" como garante até da própria instituição.

LAVS TVNAE

 

[responder a "RT"] [denunciar abusos]


responde a :

Ora aí está uma situação que se vê bastante nos dias de hoje...
Portanto, muitas vezes o problema até nem é os velhos ficarem, mas sim os velhos saírem...
Abraço

 

[responder a "zooorbie"] [denunciar abusos]


responde a :

..Acho mesmo e cada vez - por pura observação empírica - que a raíz do problema é mesmo quem está como Tuno estudante não quer assumir as suas naturais responsabilidades, logo, alguem as assume em vez deles...o resto, é a história do costume...

LAVS TVNAE

 

[responder a "RT"] [denunciar abusos]


responde a :

..e cito-te:

"Tunos que já acabaram o curso à anos e a única ligação que têem com a instituição e com as pessoas é apenas através da Tuna"

Não descontextualizando a frase, não posso deixar de referir que a mesma encerra um dos princípios mais nobres e historicamente fieis à Tradição Tunante: A TUNA como elo de ligação previlegiado aos nossos tempos de estudante. Ora aqui está uma característica - mais uma - que distingue o TUNo dos demais estudantes....

LAVS TVNAE

 

[responder a "RT"] [denunciar abusos]


responde a PAULO

Não me levem a mal...

Mas no dia em que a minha tuna se "profissionalizar" e deixar de ter amor a coisa também abandono o barco...

E acreditem que não há ninguem dentro dela que a ame mais que eu...

 

[responder a "Cariocecus"] [denunciar abusos]


responde a :

..experimentemos fazer este exercício nos dias de hoje, nas Tunas que temos: Imaginemos que todos aqueles que já acabaram o curso não estivessem nas suas Tunas. Que cenário teríamos? Quantas Tunas iriam sobreviver? Quantos ficariam? Ora digam lá coisas....ehehehe

LAVS TVNAE

 

[responder a "RT"] [denunciar abusos]


responde a :

A tua tuna ainda nem sequer existe e tu já pensas em não deixar que se profissionalize?

Engraçado as prioridades de cada um.

Eu não consigo compreender essa postura relativamente às tunas. Será que uma tuna por se preocupar bastante com a sua performance musical, deixa de ser uma tuna para passar a ser um projecto unica e exclusivamente musical?

Parece-me mais frustração e incapacidade musical e o síndrome do "eu não sou ninguem e não posso vir a sÊ-lo" do que outra coisa

Meditem sobre o assunto e cá estou para ouvir as respostas!

 

[responder a "RT"] [denunciar abusos]


responde a :

Esquisito não apareceu o resto do texto...

O que estava além do que esta escrito no post em cima era que tal como eu existe pessoas em tunas que gostam de se sentir num tuna no verdadeiro sentido da palavra...

E o que é certo é que certas tunas hoje em dia ja nao sao tunas.. Sera evolucao? Sera profissionalismo? Sera por isso que mais tarde abandonam o barco?

Saudações
Bruno

 

[responder a "Cariocecus"] [denunciar abusos]


responde a :

Isso reporta-nos novamente para a discussão do que é uma tuna!

Sentirmo-nos verdadeiramente numa tuna... É algo muito subjectivo... Depende em parte dos objectivos a que te propuseste quando foste para essa mesma tuna. Querias tocar e se fisesses amigos seria uma mais valia... Querias ter amigos e não importa o que tocam... Querias conhecer o país e apenas colaste-te? :P

Daí ser sempre algo muito subjectivo isso de te sentires numa tuna...

Saudações Académicas

 

[responder a "Pinguinhas"] [denunciar abusos]


responde a :

Só quero, quando tiver de deixar a Tuna que não se esqueçam de mim e me continuem a convidar para a farra e outras actividades! Afinal de contas, como "eles" são, eu um dia também já fui tuno da Tuna. Quero ter direito a tudo que a "reforma" me oferece! :)

 

[responder a "amon293"] [denunciar abusos]


responde a :

a minha tuna (pelo menos a constatar pela situação actual)já não existiria pois a maior parte já terminou o curso...e as caloiras que entram nem sempre ficam e outras já entram quando deixaram de ser caloiras da universidade! É verdade afinal o que se diz que o pessoal da tuna não acaba o curso parece não se verificar!
Mas a tuna não é de estudantes? mesmo terminando os nossos cursos não vamos continuar a estudar pela vida fora? Não estaremos constantemente a educar-nos, a formar-nos a intruirmo-nos? Então porquê abandonar a tuna...?

 

[responder a "Straussina"] [denunciar abusos]


responde a :

Eu até concordo com quase tudo o que disseste mas apenas gostaria de dizer que não acho mal os mais velhos desempenharem cargos na tuna DESDE QUE não desempenhem os cargos todos! Resumindo: eu acho que pode funcionar em equilíbrio entre as gerações mais novas e as mais velhinhas porque os mais velhos têm a experiência/sabedoria e os mais novos têm a sede de aprender. Os mais velhos transmitem o que sabem e os mais novos vão fazendo e aprendendo! Como é obvio não defendo qualquer tipo de submissão dos mais novos nos cargos aos mais velhos até porque a tuna sem pessoas novas, com novas ideias às tantas não se adaptaria a estes novos tempos estudantis, isto é, se a universidade sofre modificações, o ensino sofre mudanças, os estudantes, ao longo dos anos, têm mentalidades diferentes, penso que a tuna deve tentar enquadrar-se nessa realidade ou então cada vez menos pessoas quererão pertencer a uma tuna simplesmente porque não se identificam! Claro que não falo de mudanças radicais, mas pequenas coisas que se calhar já não fazem sentido mas insistimos em mantê-las porque "no meu tempo foi assim"!

Bem hajam as tunas!

 

[responder a "Straussina"] [denunciar abusos]


responde a PAULO

O estar, viver e marcar presença numa tuna é composto por três estados. O primeiro, na altura de caloiro e primeiros passos como tuno. Resulta num periodo de adaptação e assimilação dos valores dessa mesma tuna. O segundo periodo, variável e equacionável talvez, é a integração nos "corpos dirigentes" da próprio tuna. Pressupondo um conhecimento profundo da tuna, o tuno passa a ajudar a reger a tuna. O Periodo de responsabilidade em que se tem que dar o exeplo a cem por cento, e xigindo uma dedicação de tempo, vontade e paciencia. É a fase de uma certa maturidade. A terceira e ultima fase é aquela em que o tuno pelas mais diversas razões volta à sua raiz e condição natural, abdicando de um cargo directivo na tuna, pelas mais diversas razões (conclusão de curso, desgaste pessoal, etc...). Esta fase, onde me inlcuo é no fundo o voltar a ester na tuna só pelo prazer, sem responsabilidade. Aproveitar a história construida, ajudar opinando com experiencia e colabirar na integração dos mais novos. Realmente um tuno pode e deve sê-lo sempre, desempenhado o papel adequado à sua própria realidade. Importantes somos todos. Abraços

 

[responder a "graomestre"] [denunciar abusos]


responde a :

penso que existem vários exemplos de tunas que certamente teriam de "parar por uns tempos"....

alguem já parou para pensar sobre algumas das razões do sucesso de algumas tunas neste país?

não serão os ditos "velhos" os principais responsáveis? quem não identifica este ou aquele elemento nas diversas tunas? será caloiro?

são os "velhos" que continuam a integrar os caloiros, a ensinar os finalistas!

Só não vê quem não quer!!!!!!!

hasta

 

[responder a "PAULO"] [denunciar abusos]


responde a :

Não é a razão principal, mas é certamente uma das mais importantes!!!

É que a experiência, o à vontade em palco e o know-how só se aprendem depois de 5 ou mais anos de tuna... por mais dotado musicalmente que seja o elemento da tuna, a mais valia em palco reside nestes factores; à vontade em palco e a transmissão daquela "coisinha" que nos dá a "pica toda". Isso só se consegue com a experiência dos mais velhos.

Os espanhois já descobriram isso há anos, nós agora estamos a notar essa diferença.

Um abraço para todos aqueles "velhinhos" que já acabaram o curso mas continuam lá a dar o litro!!!

Abraços do DREIJO

 

[responder a "Dreijo"] [denunciar abusos]


responde a :

Apoiadíssimo!

Eu já saí da Tuna há 13 anos pelas mesmíssimas razões. Para além do imperativo de consciência, havia também razões estatutárias.

Confesso que, a princípio, me custou a compreender por que razão só se poderia permanecer no OUP até 2 anos após a conclusão do curso. Confesso que só compreendi quando comecei a ver tunas atrás de tunas a agonizarem e morrerem porque os seus membros se quiseram manter o máximo tempo possível.

Curiosamente, é precisamente a fortíssima amizade e cumplicidade entre os membros da tuna que pode levar a que a mesma definhe e morra, uma vez que quem está de fora tende a ver a tuna como um "clube" de privilegiados onde é extremamente difícil penetrar, o que pode provocar alguma vontade de também pertencer a esse "clube", mas as mais das vezes é intimidatório. Essa é, frequentemente, uma das causas de morte na nossa vizinha Espanha. Este factor é especialmente grave quando combinado com um outro: a saída em massa de uma geração - o que nem é tão raro de acontecer. Por falta de renovação e passagem de testemunho, a "evolução da espécie" é interrompida. Resultado: extinção...

Aliás, e os biólogos o dirão, a vida é feita de renovação: qualquer organismo ´só se mantém vivo enquanto for capaz de renovar as suas células. Caso contrário, morre. Claro que é tão errado manter sempre as mesmas células como renovar todas as células ao mesmo tempo. O resultado é sempre mau. O preferível é que essa renovação seja contínua e gradual, tal como nos seres vivos.

Um Abraço!

 

[responder a "O Conquistador"] [denunciar abusos]


responde a :

Pois então ficai, meus caros amigos, e durante tanto tempo quanto a vossa vida vo-lo permita.

Oxalá fiqueis por muitos e bons anos.

E oxalá nunca fiqueis sozinhos!

Abraço!

 

[responder a "O Conquistador"] [denunciar abusos]

Pedro Castro
responde a PAULO:

Antes de mais muitos parabéns :)espero lá chegar

tenho a mesma situaçao que tu :) já tenho o meu curso mas continuo na minha Tuna, penso que se deveriam criar mais condições mas é esta a realidade que temos, e a ideia errada que muitas vezes só anda na tuna quando se está na faculdade depois abandona se!

espero que um dia isto mude até, um bem haja e ate breve num palco por esse pais eheh

 

[responder a "Pedro Castro"] [denunciar abusos]

Parceiros