Portugaltunas - Tunas de Portugal

XII fESTA – Cidade de Abrantes
/5 ( votos)

XII fESTA – Cidade de Abrantes

A Reportagem

Decorreu nos dias 29 e 30 de Abril o XII FESTA - Cidade de Abrantes, Festival de Tunas Mistas organizado pela Estatuna, Tuna da Escola Superior de Tecnologia de Abrantes.


O Festival contou com a presença das seguintes Tunas a concurso:
* Real Tuna Infantina, Tuna Académica Mista da Universidade do Algarve
* Tuna Iscalina, Tuna do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa
* Vicentuna, Tuna da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa
* Tum'Acanénica, Tuna Mista da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais de Leiria.
O Festival contou ainda com a participação extra-concurso da centenária Tuna do Liceu de Évora.


Na noite de sexta-feira decorreu um arraial no antigo edifício da rodoviária.
O Festival propriamente dito decorreu no sábado 30 de Abril no Cine-teatro S. Pedro em Abrantes tendo início por volta das 21h45, Festival este alusivo ao tema "Tributo ao Festival da Canção".


A abertura do Festival ficou a cargo da Tuna do Liceu de Évora que apresentou os seus instrumentais originais "Júlia Execratus" e "Improviso", seguido de Lord of the Dance "Duelo de Violinos" que na realidade foi duelo de bandolins. Interpretaram ainda "Bubamara" de Emir Kusturica terminando a sua actuação com o seu "Hino".


A 1º Tuna a concurso a subir a palco foi a Vicentuna que iniciou a sua actuação o tema "Sozinho" de Caetano Veloso cantado a cappella seguindo-se Leitaria Garrett de Vitorino com a habitual recriação e encenação dos sons do chiado em 1904 pelo meio. Seguiu-se o instrumental "Tanto mar" de Chico Buarque e o original "Lisboa das Cantigas" interpretado pela solista Marijuana. Terminaram em grande com o tema "Xácara das Bruxas Dançando" dos Trovante com uma coreografia original dos bombos. Este último tema da Vicentuna foi provavelmente o melhor momento musical desta noite em Abrantes. De destacar pela positiva algumas coreografias dos pandeiretas e estandartes e o divertido enquadramento ao tema do festival com a presença de um pseudo José Cid e dos pseudo-netos Igor e Felismina.


A 2º Tuna a actuar foi a Tuna ISCALINA que se apresentou um pouco desfalcada com "apenas" 16 elementos. Apresentaram a sua serenata original "Tu e eu" seguindo-se mais um original "Lisboa eu sou", o instrumental original "Marcha do Campo Pequeno", e o belíssimo tema original "Valsa Lusa", interpretado pelo solista Ruben Gil. Terminaram com o seu hino "Zacarias" saindo ao som de "Vou-me embora, vou partir".


Após o intervalo subiu ao palco a Real Tuna Infantina que iniciou a sua actuação com a serenata original "I Acto" na voz dos solistas Jorge e Dina, seguindo-se "Cavalo à Solta" de Fernando Tordo/Ary dos Santos uma vez mais na voz do solista Jorge. Apresentaram ainda "Estrada do Monte" dos Madredeus e o instrumental "Bandolinata" de Júlio Pereira interpretado de forma exímia e arrancando muitos aplausos da parte do público. Seguiu-se o tema "Manhã de Carnaval" de Luiz Bonfá e Antônio Maria interpretado na voz da solista Dina, terminando ao som do seu original "Luar Algarvio". Destacar a grande consistência de toda a actuação e a original apresentação da actuação com a colocação dum púlpito sobre o lado esquerdo do palco com dois apresentadores: Eládio Climax e Cinderela Andrade, pondo as próprias músicas da Infantina à votação com a colocação em "rodapé" dos respectivos números de telefone e custo acrescido de IVA e de imposto do FMI: enfim, o melhor enquadramento ao tema do festival desta noite em Abrantes.


A última Tuna a concurso a subir a palco foi a Tum'Acanénica que iniciou a sua actuação com o tema "A Festa da Vida" de Carlos Mendes (vencedora do Festival da Canção em 1972), seguindo-se o original "Só por amor", o instrumental "Celtibera" de Júlio Pereira e o tema "Alfama" de Madredeus interpretado em dueto pelos vinhateiros (caloiros) solistas Rabibi e Milhafre com destaque para a bela voz desta última "ave de rapina". Terminaram com o original "Fonte das 3 bicas" e saindo de palco ao som uma vez mais da "Festa da Vida" mas com uma adaptação da letra para "A fESTA de Abrantes".


Enquanto o júri deliberava, subiu a anfitriã, a Estatuna que iniciou a actuação com "A Luta é Alegria" dos Homens da Luta, música recém-vencedora do Festival da Canção, seguindo-se "A Prima da Chula" na voz do solista Pepas e a adaptação musical original do poema de Bocage "Marília Ausente". Interpretaram ainda "Canção de Embalar" de Zeca Afonso. Destaque como sempre, e apesar de algumas falhas nesta noite em Abrantes, para a performance dos seus porta-estandartes, não deixando dúvidas que a Estatuna é uma grande "escola" de porta-estandartes e provavelmente a maior referência nesta área no mundo das Tunas mistas em Portugal.

No final da noite o júri composto por José Rosado (Tuna Templária de Tomar), Miguel de Brito "Jardineiro", Tiago Godinho "Torinhas" (Scalabituna), "Esferinha" (Instituna) e Bruno Dias (Estudantina Académica do ISEL) deliberou:
* Melhor Instrumental: Real Tuna Infantina
* Melhor Serenata (em palco): Tum'Acanénica
* Melhor Porta-Estandarte: Vicentuna
* Melhor Solista: Real Tuna Infantina
* Melhor Pandeireta: Vicentuna
* Tuna do Público (votação do público): Vicentuna
* Tuna mais Tuna (atribuído pela Estatuna): Real Tuna Infantina
* Prémio Festival da Canção: Real Tuna Infantina
* Melhor Tuna: Real Tuna Infantina

A noite do Cine-teatro S.Pedro terminou ao som do hino da Estatuna, embora a fESTA prosseguisse pela noite fora na cervejaria Aquapolis.
Muitos parabéns à Estatuna pelo seu XII fESTA! Para o ano há mais... Até ao XIII fESTA - Cidade de Abrantes.

Parceiros