Portugaltunas - Tunas de Portugal

XI Festa Ibérica
/5 ( votos)

XI Festa Ibérica

Reportagem

Nos passados dias 3, 4 e 5 de Maio, a cidade de Vila Real encheu-se de cor e muita música para mais uma edição do Festa Ibérica, com organização da Transmontuna - Tuna Universitária de Trás-os-Montes e Alto Douro. Aliás, para alguns, a festa começou até dias antes, prolongando assim a animação destes dias.

O Festival iniciou-se na 5.ª feira, com os elementos das tunas já presentes em Vila Real a juntarem-se à festa de aniversário da Transmontuna, num jantar e festa que se prolongaram por muitas horas.
Por sua vez, o dia de 6.ª feira iniciou-se com um almoço e com o convívio por alguns cafés da cidade. À medida que o final de tarde foi chegando, com ele chegavam cada vez mais elementos das tunas participantes, até que rapidamente chegou a hora dos testes de som e o jantar, bem como a primeira noite de espectáculo no Teatro Municipal de Vila Real, onde a população não faltou à festa.

Para o início da primeira noite, estava desde logo reservada uma participação especial: a Banda Mateus, que interpretou temas como "Lusitanidades", "Pirata das Caraíbas" e "Jigs", tendo depois a Transmontuna subido a palco e interpretado, conjuntamente com a banda, "Malagueña Salerosa", com um solista, o Gaiato, que o público bem conhece. Um dos pontos altos deste festival.

Após este grande início, subiram a palco as afilhadas da Transmontuna - a Vibratuna, Tuna Feminina da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Apesar de terem festival no dia seguinte e noutra cidade, não quiseram deixar de participar na festa, interpretando três originais: "Altiva Bila", "O Conto" e "Ale'UTAD", numa prestação muito agradável e de qualidade.

Após estas participações extra-concurso, e com a apresentação já esperada (mas, ainda assim, sempre surpreendente dos G.A.I.J.U.S. - Grupo de Animados e Irresistíveis Jograis Universitários Sequiosos, iniciou-se a prestação das tunas a concurso.

Os primeiros a subir a palco foram os Tunídeos - Tuna Masculina da Universidade dos Açores. Com 31 elementos em palco e devidamente caracterizados numa actuação temática, como geralmente é seu apanágio, iniciaram a sua actuação com o tema "S.Miguel", interpretando de seguida o instrumental "Peixe-Gato". "As Aventuras do Alves" foi o tema de solista que se seguiu, apresentando depois "Swing do Tunanteador". Os Tunídeos finalizaram a actuação com "Noites de Lua". Uma actuação muito animada, com toda uma componente visual muito atractiva, e que deixava já uma fasquia bem elevada para o resto do espectáculo.

De seguida, foi a vez da Tuna do Magistério de Segóvia apresentar o seu espectáculo. Com 15 elementos em palco, iniciaram a sua prestação com "Luna de España", prosseguindo para um tema de solista "El Dia que me Quieras". Seguiu-se "Isa de la Ventana" e uma suave "Noche de Ronda". "Maria, La Portuguesa" foi o tema que finalizou a prestação desta tuna, onde se destaca o seu solista que, arrebatando o público, acabou por conquistar esse mesmo prémio.

A finalizar a primeira noite, entrou em palco aquela que viria a vencer o espectáculo de palco. A TAFEP - Tuna Académica da Faculdade de Economia do Porto - apresentou-se em palco com 34 elementos e iniciou a sua actuação com "Segredos e Memórias", com os seus pandeiretas a arrancarem fortes aplausos do público. De seguida, a TAFEP interpretou "Trocapingas" e o seu instrumental. Houve ainda lugar para "La Dueña de Mis Amores" e, a finalizar, o animado "Retratos de Portugal", com um mix de muitos temas conhecidos e coreografias de pandeiretas e estandartes bem conseguidas.

Após o espectáculo no Teatro Municipal de Vila Real, a festa continuou noite dentro.

Sábado, o dia iniciou-se com um piquenicão no Parque de Merendas de Codessais, num ambiente descontraído e de salutar convívio. Por volta das 16.30, as tunas foram encaminhadas para o Centro Comercial Dolce Vita Douro onde teve lugar o pasacalles e uma pequena actuação por parte de cada tuna na praça central do centro comercial, seguido do teste de som para as tunas que iriam actuar nessa noite.

Por volta das 22 horas, iniciava-se a segunda noite de espectáculo no Teatro Municipal de Vila Real, uma vez mais bem composto e com um público bastante interactivo e receptivo.

Assim, e com apresentação dos G.A.I.J.U.S., a primeira tuna da noite foi a Tuna Universitária de Beja. Com 16 elementos, iniciou a sua prestação com a peça vocal "Castelo de Beja", prosseguindo depois para "É Tão Bom" e para "El Piel Canela". A serenata "E Mais Uma Vez" precedeu o instrumental da TUB, tendo este estado maioritariamente centrado num único instrumentista. Seguidamente, nova peça vocal com "Milhões de Barcos", passando para um animado tema "Maria Lisboa". "Meu Alentejo" foi o tema que fechou a extensa actuação da TUB, onde as raízes alentejanas estiveram sempre presentes.

Quase a fechar as tunas a concurso, subiu a palco a Tuna do Distrito Universitário do Porto. Com 23 elementos em palco, iniciaram a sua actuação com um tema cubano de solista, "La Negra Tomasa", passando para "Quero as Estrelas, Quero o Luar". O original "Meu Porto sem Par" foi o tema que precedeu "Casa Portuguesa", ambos de solista, e este último com uma pequena dedicatória a Vila Real. "Vejam Bem" foi o tema que se seguiu, saindo a TDUP de palco com "Raparigas Belas". Destacam-se ainda, além de uma actuação forte e segura, os interlúdios com "Aquella Tarde" e "Estrela da Tarde" como pano de fundo, numa apresentação centrada em Vila Real e em Miguel Torga, de resto bastante apreciada pelos presentes.

Por fim, subiu a palco a Estudantina de Braga. Com 37 elementos em palco, deram início à sua prestação com um medley de António Variações exclusivamente vocal, passando depois para "Lenda do Mar". "Nem às Paredes Confesso" e "O Teu Batôn" foram os temas que se seguiram, dando lugar ao instrumental "Israelita". "Quase", uma serenata e tema de solista precederam o final da actuação desta tuna com "Zé Caloiro", também ela bastante aplaudida.

Após os agradecimentos, o sorteio de rifas e a explicação da ausência da RExA - Real Extudantina dos Açores (que, devido à greve da SATA, não pôde estar presente), deu-se início à prestação da Transmontuna. Assim, a tua anfitriã iniciou a sua prestação com três originais: "Entre os Montes", "Promessas Vãs" em jeito de serenata e "Sai a Tuna". De seguida, a Transmontuna interpretou "Muñequita Linda", na interpretação carismática do seu solista, passando para o Hino, terminando depois com o Grito Académico e uma série de "hits" conhecidos, com a dança do Gangnam Style incluída. Uma actuação muito animada, com temas a serem apresentados pela primeira vez ao público e a mostrarem, efectivamente, trabalho.

Depois de entregues os prémios de participação e de agradecimento, foi apresentado o júri:

Maestro Adérito Silveira - (Maestro do Coral da Cidade de Vila Real - presente nas 11 edições Festa Ibérica)
Maestro e Prof. Vasco Sousa - Prof. Formação Musical do Conservatório Regional de Música de Vila Real (presente em 6 edições do Festa Ibérica)
Marco Eiriz - Presidente (e Músico) da Banda de Música de Mateus
André Rodrigues - Elemento da Transmontuna

Deliberaram:

Melhor Porta-Estandarte - TAFEP

Melhor Pandeireta - TAFEP

Melhor Solista - Tuna Magistério Segóvia

Melhor Instrumental - Estudantina de Braga

Melhor Original - TUB

3ª Melhor Tuna - Tuna Magistério Segóvia

2ª Melhor Tuna - TUB

Melhor Tuna - TAFEP

 

O prémio de Melhor Pasacalles foi entregue aos Tunídeos por votação pelos clientes do Dolce Vita Douro e a organização atribuiu o Grande Prémio Festa Ibérica (Tuna mais Tuna) aos Tunídeos e Tuno mais Tunanteador ao Jordão, dos Tunídeos.

Uma nota de destaque muito positiva para o excelente som proporcionado, algo que, infelizmente, tem vindo a ser raro, bem como para o público presente que se mostrou bastante acolhedor, receptivo e respeitador.

A festa continuou noite dentro, terminando para muitos apenas já bem depois do almoço de despedida de Domingo.

A equipa do Portugaltunas presente no Festa Ibérica agradece à Transmontuna toda a ajuda prestada, bem como toda a disponibilidade.

Parceiros