Portugaltunas - Tunas de Portugal

J.Pierre Silva

Trago a lume as palavras do nosso ilustre Conquistador, retiradas do blogue da Tuna Veterana do Porto, datadas de 2007 e parecem escritas de propósito para agora: (vale a pena ler) "Ora, ou muito me engano, ou há aqui veteranada. Fartos de não terem autoridade, as cabecinhas pensadoras da nossa praxe viraram-se para o autoritarismo. Deu-lhes para porem no mesmo pé de igualdade o OUP e os restantes agrupamentos circum-escolares (se é que têm esse estatuto). E aqui começa o erro fatal: 1 - o OUP é uma instituição mais antiga do que a maioria das faculdades da Universidade do Porto; 2 - o OUP, do alto dos 95 anos de História e de memória viva da Academia - para o bem e para o mal -, não aceita lições de praxe de ninguém, nem precisa de ser chamado às responsabilidades académicas que sempre soube cumprir - quando para isso teve condições; 3- o OUP trajou capa e batina durante o PREC, numa altura em que os pais de alguns dos actuais "Duces Facultis" ainda nem haviam começado a namorar... 4 - o OUP sempre manteve um grupo de fados, dentro da medida das suas possibilidades artístico-etílico-voluntariosas e, com isso, criou uma escola e uma continuidade - coisa que nenhuma das outras faculdades da UP (e não só) mantém, sequer; regra geral, esses grupos foram (são) intenções espúrias e sobrevivem para Queimas e afins graças a velhas glórias que só aparecem nessas alturas; 5 - este vosso criado, que tantos ouvidos arranhou com as suas guitarrices, por exemplo [não desfazendo o enorme Zé Costa, o supremo Ruizão, o academíssimo Misha, o incansável Astro, o veteraníssimo Tocas, o esforçadíssimo Tutan, e tantos outros (perdoem-me a não-inclusão no rol) que actualmente militam na Veterana] deixou o OUP e, por consequência, o Grupo de Fados, ainda as cabecinhas (muito "inhas"...) pensadoras não sabiam as primeiras letras; (...) onde estavam esses "senhores" quando o OUP: 1. reintroduzia a capa e batina no Porto? 2. constituía o acervo da memória da Praxe? 3. cedia as suas instalações e o seu potencial humano na adopção da capa e batina como traje académico nacional em detrimento da velha "loba"? 4. aderia aos lutos académicos de 1914, 1939 e 1969? 5. levava aos quatro cantos do mundo o nome da Academia, ao som dos Amores de Estudante? 6. criava o conceito de Festival de Tunas em Portugal? 7. moldava o rosto da queima com a Romaria Académica? 8. manteve a Praxe viva, contra ventos e marés politiqueiras? 9 . criava o traje feminino?... 10. era agraciado com a Medalha de Ouro de Mérito Artístico da Cidade do Porto? 11. a sua alta conduta cívica e moral lhe valiam a Comenda da Ordem de Benemerência (atente-se bem no significado desta comenda)? 12. o seu papel inigualado na divulgação da cultura portuguesa junto das populações mais isoladas lhe valia a Comenda da Ordem de Instrução Pública (e reflicta-se no significado deste galardão) - quantas ambulâncias foram compradas com o dinheiro angariado pelos espectáculos que o OUP ofereceu? Quantas igrejas recuperadas? Quantas agremiações culturais reestruturadas, reequipadas, "re-sedeadas"? 14. dava dos estudantes do Porto a imagem de generosidade, daqueles que, mais favorecidos pela sorte, partilhavam com irreverência e galhardia o seu tempo, sempre com o mesmo brio, no palácio como na choupana? Quantas outras instituições de cariz académico desta cidade, e mesmo sem este cariz, pode apresentar algo que sequer se assemelhe? Não certamente o Magnum... Sem desprimor para os outros grupos de fados, que não devem ser responsabilizados por esta fantochada: também eles não podem fazê-lo... Para tudo resumir: onde estava o Magnum Consilium Veteranorum quando o OUP cumpria SOZINHO as OBRIGAÇÕES DE TODOS? Espera lá: NÃO estava, pura e simplesmente. E pasme-se: PORQUE NEM SEQUER EXISTIA!... Isto, se mais não fosse, deveria fazer corar de vergonha os perpetradores da aleivosia. Como Académico, sinto-me desconsiderado e injustiçado. Como Orfeonista, sinto-me muito acima desta tropa fandanga de veteranos de 3/4 de mês - tanto que a surpresa é maior do que o real valor do insulto. Pessoalmente, reajo muito mal às injustiças. Não me critiquem por reagir ainda mais a uma injustiça que considero pessoal." in http://tvpenianos.blogspot.pt/ (artigo de Eduardo Coelho, de 22 Outubro 2007).

Gato Preto

Em meu nome, para já, quero expressar a mais viva solidariedade para com o Orfeão Universitário do Porto face à campanha mais vil e hedionda que recordo no movimento associativo desde a retoma das tradições estudantis portuguesas. Apenas dizer desde esta VOSSA Lusa Atenas: CONTEM CONNOSCO, AMIGOS! Paulo Cunha Martins (Veterano da Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra)

O Conquistador

Como Sócio Auxiliar do OUP, sinto-me profundamente grato com a vossa solidariedade. É nas ocasiões que se vêem os amigos. Forte abraço!

J.Pierre Silva

Acredita, Conquistador, que não se trata de uma mera questão de amizade, mas da mais elementar justiça e coerência. Dar razão a quem a tem e, neste caso, condenar veemeentemente quem prevaricou repetida e deliberadamente.

Parceiros