Portugaltunas - Tunas de Portugal

Reportagem do III FITUCB
/5 ( votos)

Reportagem do III FITUCB

Nos Passados Dias 13 E 14 Realizou-se O III FITUCB – Festival Internacional De Tunas Da Cidade De Castelo Branco

Na Sexta-feira após a recepção às tunas, seguiu-se o jantar e a apresentação das Serenatas no Centro Cultural Albicastrense.

A noite começou em grande com as actuações da Dartatuna (Tuna Feminina da ESART de Castelo Branco) e da Arrebitatuna (Tuna Feminina da ESE de Castelo Branco).

Seguiram-se as Tunas a concurso: Estudantina Académica da Madeira, Trovantina – Tuna do Instituto Politécnico de Leiria, Tuna Académica de Biomédicas do Porto e o Real Tunel Académico - Tuna Universitária de Viseu. A festa continuou com muita animação pelas ruas da cidade, culminando na discoteca Kimika.


No sábado após o almoço foi realizada a recepção oficial às tunas pela vereadora da cultura da Câmara Municipal de Castelo Branco, no cine-teatro; seguindo-se uma tarde bem regada com muita música e animação, intercalada com os diversos testes de som.


Após o jantar as tunas dirigiram-se ao cine-teatro, abriu-se o pano e o espectáculo começou com a tuna anfitriã que apresentou uma nova versão do seu original “Minha ilusão”. As apresentações estiveram a cargo do Daniel e do Hélder (tunos da EACB), tendo como convidado especial nesta primeira parte o engenheiro Sócrates, que por vídeo nos deixou uma mensagem de apoio ao festival, comparando a qualidade das tunas às contas do estado: Sempre a crescer!


Subiu a palco a Estudantina Académica da Madeira (padrinhos da EACB), com os seus fantásticos jogos vocais entre o sorriso e o jogo dos pandeiretas. Entraram, em jeito de introdução com “Saudades da Beira”, seguindo com um original (composto para as comemorações dos 500 anos da cidade do Funchal) “ Funchal verde manto” e ainda “Júlia Florista” com a sonoridade incomparável da Guitarra Portuguesa e da fabulosa voz do Solista. Seguiu-se o Instrumental e “Alma”, um original dedicado ao tuno seu autor, Roberto Neves, que já não se encontra entre nós; terminando com o seu hino “Estudantina passa”.


A 2ª tuna a concurso foi a Trovantina, com o seu passo característico em V. Iniciou com “Cantigas de Maio” de Zeca Afonso num arranjo muito próprio, “Maria Lisboa”, “Brasileirinho” como instrumental, com excelente execução de violino e bandolim. Seguiram com os originais “O pipo” e “Às vezes gosto de ti”, uma bela serenata que destacou a voz do solista. Terminaram com muita animação e com “Os beijos”.


Depois de um curto intervalo apresentou-se a Tuna de Biomédicas, com os seus bigodes e trunfas, características de grande parte dos tunos. Começaram em mirandês com “Chinglindim”, seguindo com “Cidade do Porto” como tributo á sua Invicta, e com um instrumental intitulado “sonho napolitano” que se desenrolou numa rapsódia de músicas italianas como “o sole mio”, “funiculi funiculá” entre outras. Encerraram com os temas “Trova” (onde o solista mostrou os seus dotes) e “Memórias de um tuno”, ambos originais.


A última tuna a concurso foi o Real Tunel Académico com um repertório composto de originais. Iniciaram com “Rua escura 43” um tributo ao Boquinhas (tasca de Viseu onde nasceram), seguindo “Viseu, terra nobre” e o instrumental “Trilhos”. Seguiu-se “Procurei-te” e “Serenata a um anjo” (nas quais a voz e a postura do solista foram bastante cativantes), e ainda “Hilário”, saindo com as habituais” Borboletas”.


Terminado o concurso a Estudantina Académica de Castelo Branco fez as honras da casa numa actuação com bastantes inovações. Ouviu-se o original “Variações Albicastrenses em Lá menor”, seguida da “Toada Beirã” uma rapsódia de música típica da Beira Baixa, que inclui temas como “Senhora do Almortão”, “Maria Faia”, “Olha a laranjinha”, “Quando eu era pequenino” e “Saudades da beira” . Ouvimos ainda mais dois originais: “Amanhecer”, dedicado às senhoras da sala e o hino da EACB “É por ti que eu canto”, com a subida a palco dos ex-elementos da tuna.


O espectáculo terminou em grande com os elementos de todas as tunas em palco para a interpretação da tão conhecida “A rapariga”, concluindo com os agradecimentos, entrega de lembranças e entrega de prémios.

Melhor Estandarte: Estudantina Académica da Madeira
Melhor Pandeireta: Real Tunel Académico de Viseu
Melhor Solista: Real Tunel Académico de Viseu
Melhor Original: Real Tunel Académico de Viseu
Melhor Instrumental: Real Tunel Académico de Viseu
Melhor Serenata: Estudantina Académica da Madeira
Tuna Mais Tuna: Estudantina Académica da Madeira


2ª Melhor Tuna: Estudantina Académica da Madeira
Melhor Tuna: Real Tunel Académico de Viseu

A festa continuou pela noite dentro na Kimika, com muita animação, terminando no almoço de Domingo.


E foi assim a terceira edição do FITUCB, com muita animação e muita festa. Parabéns EACB pela fantástica organização do festival, onde não faltou nada, para o ano lá estaremos todos outra vez!

Parceiros