Portugaltunas - Tunas de Portugal

IX LETHES
/5 ( votos)

IX LETHES

A Reportagem

Venha o Décimo

Fazer uma reportagem de tudo o que se passou neste LETHES não é fácil, devido ao ritmo alucinante com que tudo aconteceu e ao pouco tempo que houve para descansar. Foi mais um fim-de-semana incrível, onde as ruas de Viana do Castelo, em especial, as da Ribeira se encheram de tunos.

Foi mais um festival inesquecível: inesquecível no ambiente vivido, no espírito de alegria e boa disposição que reinou! Viana do Castelo agradece os 3 dias maravilhosos que as tunas proporcionaram.

Sexta-feira foi dia de receber os amigos, e após o jantar, os tunos já andavam pelas ruas do centro histórico, indo alguns parar à célebre Tasca "A Espanhola" da nossa muy amada D. Otília. Depois de muitas canecas de champarreão, um licorzinho, tremoços e amendoins seguimos viagem para a sede do clube da cidade, o Vianense. Aqui, enquanto que uns se ficavam pela cerveja, outros já pediam ao Sr. Mário que vendesse garrafas de vinho, e ele a dizer: "Já me enganaram outra vez, já estou a perder dinheiro lol"

Como a noite ainda era uma criança, decidimos que precisávamos de andar um pouco, para apanhar ar fresco, e quando demos por nós já estávamos na discoteca Off. Depois de uns pezinhos de dança, e de uma demonstração de como existem tunos que até não têm pezinhos de chumbo, a comitiva foi parar ao local do "crime" do costume. Pois é, a Taberna do Soares (mais conhecida por Tone do Bento) estava preparada para nos receber e abriu portas às 5h15 da manhã com sandes de moelas, bifanas, camarão da costa e as belas sapateiras recheadas.

Cerca das 11h00 da manhã decidimos que era melhor regressar à base e descansar um pouco. Mas não havia muito tempo para isso, porque após o almoço, alguns já estavam a fazer um churrasco à beira rio, junto da Pousada da Juventude, outros já estavam no teatro para os habituais testes de som, outros nas actividades no Centro Académico (onde a TUIST demonstrou que além de encantar em palco e fora dele, são verdadeiros profissionais no bilhar e matraquilhos, tendo sido os campeões da actividade), e por fim, os representantes das tunas estavam nos Paços do Concelho onde foram recebidos pela Vereadora da Cultura e Madrinha da Hinoportuna, a Dr.ª Flora Silva, para um Verde de Honra.

Estando o Teatro Sá de Miranda com a lotação esgotada desde quarta-feira e com uma considerável lista de espera para eventuais desistências, o ambiente que se vivia nas ruas circundantes do teatro era fenomenal.

Com cerca de meia hora de atraso, subiu o pano. A apresentação ficou a cargo de um Hinoportuno (PI) e o amigo Jorge Salgueiros, com os cantares ao desafio, algo intrinsecamente ligado às tradições minhotas.
A anTUNiA foi a primeira tuna a entrar em palco. E não havia melhor maneira de começar. Com os seus temas originais, um instrumental ao nível que melhor caracteriza esta tuna lisboeta, e por fim, mas não menos importante, com uma actuação de alto nível dos seus pandeiretas, que lhes valeu o prémio correspondente. Foi uma actuação em crescendo, mas que conseguiram superar a enorme responsabilidade que é abrir um festival e cativar desde logo o público.

A seguir foi a vez da Tuna Académica Infantuna Cidade de Viseu, que apesar de ser estreante neste festival, conseguir arrebatar o público vianense. Com uma qualidade instrumental e vocal fora do vulgar, eles conquistaram o público e o júri, tendo merecido a distinção de Melhor Tuna. De salientar ainda o facto, de um momento particularmente especial e bonito, com a presença em palco e trajado a rigor, de um pandeireta com 10 anos que já segue as pisadas do pai.

Antes do intervalo, ainda havia lugar para mais uma actuação. E que actuação. A TUIST, mais uma vez, não defraudou as expectativas criadas e já comprovadas pelo público vianense. Apesar de estarem cerca de 30 elementos, sendo que metade eram caloiros, demonstrou mais uma vez a razão pela qual é considerada uma das melhores tunas nacionais. Encantou com os seus temas habituais, no entanto, de realçar a execução do seu instrumental e a prestação do seu solista, o "Super Mário", que emocionou o publico que enchia por completo o teatro e convenceu o júri, que atribuiu o prémio de Melhor Solista. E se actuação deles terminou em palco, o mesmo não se pode dizer fora dele, pois tocaram sem cessar no café teatro, desde o fim da actuação até cerca das 04h00, tendo depois sido acompanhados pela Azeituna, já na habitual troca de "galhardetes" que existe entre ambas as tunas, e que além de ser salutar é de saudar.

No reinício da segunda parte, estava preparada uma surpresa por parte dos caloiros e tunos da Hinoportuna para os veteranos. Decidiram recriar a lenda que dá nome ao festival, e além dos figurinos "originais" e da "duvidosa" mas extasiante selecção musical que apresentaram, ficou demonstrado que alguns têm futuro mais que assegurado na arte de representar. O público chorou...de tanto rir.

A seguir a este momento único, foi a vez da Magna Tuna Cartola de Aveiro. Vencedora da última edição do LETHES, esta tuna voltou a mostrar a sua qualidade onde se destacam os arranjos musicais, as transições entre músicas, e o trabalho coreográfico excepcional dos seus bandeiras. Sem grandes surpresas o júri decidiu atribuir-lhes este prémio.

A última tuna a concurso foi a Azeituna, que ao par da tuna da casa, é totalista neste festival. Apesar do avançado da hora, não deixaram ninguém adormecer, muito por culpa da boa disposição posta em palco e que passou para a plateia, e que começou logo desde a primeira música. Nesta actuação, de realçar os originais apresentados e a qualidade instrumental que lhe valeram o prémio de Melhor Instrumental e 2ª Melhor Tuna.
Já na madrugada de Domingo, foi a vez da Hinoportuna subir a palco. Foi um momento especial, com cerca de 50 elementos, onde se destacam alguns "velhinhos" que ajudaram a fundar esta tuna. Durante a actuação, e antes do seu hino "Hino per Tunas", 4 elementos passaram a tunos, momento esse marcado por lágrimas (pensamos nós de alegria) mas que lhes valeram no final serem apelidados de "meninas"lol. Ontem, foi a vez do público vianense conhecer o novo tema da Hinoportuna, "Rua do Capelão" (o Novo Fado da Severa) que apesar de ter sido estreado no Theatro Circo (no Celta), foi tocado apenas agora pela segunda vez.

Ainda durante a actuação foi feita uma merecida homenagem ao Dr. Alberto Oliveira e Silva (ex-governador civil de Viana do Castelo e actual Provedor da Santa Casa da Misericórdia desta cidade) e que foi o responsável à nove anos atrás pelo nome deste festival.

O espectáculo em palco terminou com a habitual entrega de prémios, tendo ficado a cargo da madrinha do festival, a Eng. Rosa Venâncio a entrega do prémio de Melhor Tuna à Infantuna.

Foi igualmente revelado que, no próximo ano e a título excepcional, o festival estará no teatro Sá de Miranda durante 2 noites. Todas as tunas que já venceram o festival serão convidadas para comemorar com a Hinoportuna os 10 anos deste festival. Assim sendo, serão convidadas a Azeituna, a Estudantina Universitária de Lisboa, a Tuna Universitária de Aveiro, a Tuna Académica de Lisboa, a TUIST, a Magna Tuna Cartola de Aveiro e a Infantuna.
Com o baixar do pano a festa continuou no café-teatro e na rua do teatro, com a TUIST e a Azeituna a brindar os convidados e as restantes tunas com o seu "despique", ao bom jeito do Alto Minho, cantando à "desgarrada".

Depois segui-se uma curta romaria até ao Largo 9 de Abril, em frente ao Centro Académico do IPVC, onde se refrescaram as gargantas para prosseguir viagem até à Taberna do Soares. Ali, a festa do costume, à volta do champarreão, das moelas, das bifanas e das sapateiras que estavam ainda mais recheadas que na noite anterior.

Foi neste local mítico, que foi entregue o prémio de Tuna Mais Tuna à TUIST.
Embora não estivesse previsto existir mais algum prémio, nesse momento, foi entregue o prémio de Tuno mais Tuno (uma caneca da Taberna do Soares "Tone do Bento") ao "Boticas" da Azeituna, pelo espírito e simpatia demonstrados durante todo o festival e que sem dúvida merecia um reconhecimento por parte da organização. É sem dúvida um daqueles tunos que contagia os restantes com o seu espírito e alegria.

Mas quando se pensava que já não havia lugar para mais surpresas, cerca das 11 da manhã é o dono da Taberna do Soares que surpreende tudo e todos, ao entregar uma lembrança ao "Super Mário" da TUIST que retribuiu com uns fados lindíssimos. Parece que além das lembranças, começou ali mais uma amizade e foi sem dúvida um dos momentos marcantes do festival.

Como já estava na hora do almoço, alguns decidiram que não havia tempo para ir à cama e então decidiram ir logo para a churrascada de despedida, que às 20h00 ainda tinha resistentes à volta da bica de cerveja e do assador.
Apesar do cansaço, ficamos todos com a sensação que momentos destes nunca deviam acabar e, por isso, que venha o X LETHES...o mais rápido possível.

X LETHES
Prémios atribuídos:
Melhor Actividade - TUIST
Melhor Bandeira - Magna Tuna Cartola
Melhor Pandeireta - anTUNiA
Melhor Instrumental - Azeituna
Melhor Solista - TUIST
2ª Melhor Tuna - Azeituna
Melhor Tuna - Tuna Académica Infantuna Cidade de Viseu
Tuna Mais Tuna - TUIST

Parceiros