Portugaltunas - Tunas de Portugal

Do Registo de Certames ao vivo
/5 ( votos)

Do Registo de Certames ao vivo

São, De Facto, Muito Poucos Os Registos Fonográficos Editados De Certames Em Portugal

Em cerca de duas décadas perdeu-se de forma inexplicável - talvez a crise económica explique tal mas nunca como sendo a única causa - um dos bons hábitos existentes nos anos 90, a gravação de festivais ao vivo em CD.

São, de facto, muito poucos os registos fonográficos editados de certames em Portugal,  comparando com os incontáveis festivais que ano após ano se sucedem no calendário tuneril, regra geral entre Outubro e Dezembro e depois, entre Março e Maio/Junho. 

A boa prática iniciada com o CD do "VII FITU Festival Internacional de Tunas Universitárias - Cidade do Porto " - ao que se sabe, primeiro em Portugal do género bem como no mundo - teve alguma continuidade em outros certames, que ocasionalmente registaram os seus espectáculos ao vivo e em formato CD - casos do "Sete Colinas - Lisboa" em 1994, "V Festuna - Coimbra" em 1995, 2 CD´s do "TUIST - Festival Internacional de Tunas Cidade de Lisboa", "FITUA", entre outros poucos certames que ficaram registados fonográficamente para a posteridade - para lá de menos DVD´s ainda, que os há, precisamente registados ao vivo.

Esses CD´s tiveram o condão de, para lá do registo do evento em si, dar a conhecer algumas Tunas nacionais e estrangeiras de forma disseminada, ou seja, para além da sala onde o evento decorreu, com a vantagem da captação ser ao vivo, o que torna muito mais fiel o registo, por oposição aos registos em ambiente de estúdio, sempre mais cautelosamente elaborados. Por outro lado, o "ao vivo" possbilita aferir da real qualidade interpretativa de uma dada Tuna, o que é uma vantagem acrescida neste tipo de registos.


Noutro sentido serviram esses registos fonográficos, em alguns casos pontuais, para potenciar uma "brand" em concreto, ou seja, o próprio certame em causa, diferenciando-o dos restantes. Note-se que nesse tempo onde se efectuaram lançamentos deste tipo de registos existiam muitos mais eventos tuneris do que hoje, o que pode ser parte da explicação para que, actualmente, não os haja. Em todo o caso, o tratamento do certame de forma segmentada englobava - e engloba ainda - o seu registo ao vivo e posterior edição em formato CD - para quando o formato Pen, p.ex.? - o que lhe conferia uma maior projecção, que ia além do momento em si mesmo, perpetuando-o Ad Eternum, e para as gerações futuras.

Terá muito a ver com o tempo, as circunstâncias, o momento, a disponibilidade financeira. Mas é verdade que tais registos potenciaram as suas "marcas", arrastando em delay o próprio certame, logo, potenciando-o para lá desse mesmo momento, o que é uma excelente estratégia, para lá das vantagens acima anunciadas. Não se perde no tempo - mormente saber-se que é impossivel um dado certame produzir um CD por ano - e , por outro lado, deixa legado de forma quase universal. 

Seria de se pensar - e com o advento de novas formas de disseminação como sendo a Internet, etc, já usadas amplamente para o broadcasting dos eventos - em novas fórmulas de reprodução de tantos e tão bons eventos tuneris. É uma forma de legado que se perdeu e que, sintomaticamente, faz hoje todo o sentido.

Parceiros