Portugaltunas - Tunas de Portugal

FITUCB 2014 - 8º Festival Internacional de Tunas Universitárias da Cidade de Castelo Branco
/5 ( votos)

FITUCB 2014 - 8º Festival Internacional de Tunas Universitárias da Cidade de Castelo Branco

A Reportagem

Nos passados dias 7 e 8 de Novembro a cidade de Castelo Branco recebeu mais uma edição do FITUCB – Festival Internacional de Tunas Universitárias de Castelo Branco, organização da Estudantina Académica de Castelo Branco.

Na sua oitava edição contou com a presença das seguintes tunas a concurso:

Afonsina – Tuna de Engenharia da Universidade do Minho;

Tuna TS – Tuna de Tecnologias da Saúde do Porto;

Estudantina Universitária de Coimbra;

A Tuna Académica da Universidade de Évora acabou por cancelar a sua presença no dia do festival.

Extra – concurso actuaram a TUSALD – Real Tuna Académica da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias e  a TUSALBI – Tuna da Universidade Sénior Albicastrense.

O FITUCB teve o seu início logo na sexta – feira, pelas 22 horas com a noite de serenatas, realizada na igreja de Santa Maria do Castelo, onde perante uma igreja repleta, as tunas executaram dois temas a fim de se encontrar o vencedor do prémio de melhor serenata, atribuído pelas guias. 

Com terminar das serenatas o convívio entre tunas prosseguiu na zona envolvente do Castelo, tendo a noite continuado na discoteca Alternativa.

Sábado, durante a tarde, a Estudantina Académica de Castelo Branco ofereceu às tunas convidadas e às entidades presentes, uma jeropiga de honra, onde as tunas a concurso deram um cheirinho daquilo que iria ser uma grande noite de tunas.

Por volta das 21:30, com um Cine Teatro Avenida praticamente cheio, deu-se então início ao espetáculo.

A primeira tuna a entrar em palco foi a TUSALD – Real Tuna Académica da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias, que neste dia comemorava o seu 13º aniversário, devidamente lembrado pela EACB. Com 41 tunos em palco, a TUSALD interpretou os temas, “Medley Albicastrense”, “É por ti”, “Débutant” como tema instrumental, “Prá caloirada” e “Cidade Saudade”.

De seguida entrou em palco a primeira tuna a concurso, Estudantina Universitária de Coimbra. Com 22 tunos em palco abriram o seu espetáculo interpretando “Maria”, Fado de Coimbra com letra de Antero de Quental e música de João Farinha, “Vidraças”, original EUC com um pequeno trecho do tema “Saudades da Beira”, tema albicastrense em tributo à EACB e à cidade de Castelo Branco. De seguida, como tema instrumental, “Bach” dedicado ao corpo docente do IPCB, “Olhos nos Olhos” de Carlos Canelas e António Antão e terminaram com “Mudam-se os tempos mudam-se as vontades” poema de Luis de Camões, arranjos de José Mário Branco e Jaen Sommer. 

A segunda Tuna a concurso foi a Afonsina – Tuna de Engenharia da Universidade do Minho, com 18 tunos em palco. Iniciaram o seu espetáculo com uma representação do faroeste onde interpretaram temas de Ennio Morricone e Anaquim. Seguiram – se os temas “Lenda da Fonte”, original da Afonsina, “Siga a marinha/ Chico Fininho” de Ala dos namorados e Rui Veloso, e terminaram com o seu sempre animado hino “Afonsina”.

Depois de um pequeno intervalo entrou em palco a Tuna da Universidade Sénior Albicastrense, que com a sua boa disposição interpretaram temas do cancioneiro tradicional português, “Rama”, “Canção da Parreira” e original a “Hino da USALBI”.

Seguidamente entra em palco a última tuna a concurso, a Tuna TS – Tuna de Tecnologias da Saúde do Porto, que entrou em palco com cerca de 32 tunos. Interpretou os temas “Oxalá te veja” dos O`questrada, “Festa da Vida” de José Niza, José Calvário e maestro Richard Hill, “A Heróica” como tema instrumental de André Marques, “Incerteza” e terminaram com um tema original “Duas Cidades”.

Por fim e já com o júri a deliberar foi a vez da tuna organizadora entrar em palco, Estudantina Académica de Castelo Branco, que com 28 elementos em palco mostraram o seu novo reportório à cidade que lhes dá nome, tendo interpretado os temas, “Lisboa não sejas francesa” de José Gallardo e Rui Ferrão,” Amanhã é sempre longe demais” (música interpretada pela primeira vez) de os Rádio Macau, “Uma flor de Verde Pinho” de Manuel Alegre e José Niza, “Adeus que me vou embora” de António Variações e para terminar e já com os antigos tunos em palco interpretaram o hino “É por ti que eu Canto” original da EACB.

Após os agradecimentos habituais, chegou a hora da entrega dos prémios, após a deliberação do júri composto por:

Armando Pereira – Membro da Tuna Universitária do Porto 

Pedro Ladeira - Professor no Conservatório Regional de Castelo Branco e na Escola Superior de Artes Aplicadas de Castelo Branco e maestro da Sociedade Filarmónica de Tinalhas;

Ema Casteleira - Diretora do Conservatório Regional de Castelo Branco;

Francisco Oliveira – Membro do Real Tunel Académico de Viseu e da Estudantina Académica de Castelo Branco;

Vítor Ávila – Membro da Estudantina Académica de Castelo Branco e Maestro da Banda Filarmónica Cidade de Castelo Branco. 

Os prémios foram entregues da seguinte forma:

Melhor Serenata (atribuído pelas guias) – Estudantina Universitária de Coimbra;

Melhor Pandeireta - Tuna TS – Tuna de Tecnologias da Saúde do Porto;

Melhor Estandarte - Tuna TS – Tuna de Tecnologias da Saúde do Porto;

Melhor Original - Tuna TS – Tuna de Tecnologias da Saúde do Porto;

Melhor Solista – Estudantina Universitária de Coimbra;

Melhor Instrumental - Tuna TS – Tuna de Tecnologias da Saúde do Porto;

Tuna Mais Tuna (atribuído pela organização) – Afonsina – Tuna de Engenharia da Universidade do Minho;

Segunda Melhor tuna – Estudantina Universitária de Coimbra;

Melhor Tuna - Tuna TS – Tuna de Tecnologias da Saúde do Porto.

A boa disposição que caracterizou as tunas durante todo o FITUCB, continuou noite dentro na discoteca Alternativa, tendo acabado para os mais resistentes na sede da EACB, a Tasca da Estação, a comer uma das suas famosas bifanas.

Como balanço do festival, o ponto positivo é o facto de a EACB continuar a apresentar cartazes com vários estilos musicais, bastante ecléticos entre si, e de qualidade elevada, com tunas que levam às ruas da cidade o convívio e animação típico deste mundo tuneril. 

O ponto menos positivo, a ausência da Tuna Académica da Universidade de Évora, anunciada horas antes do inicio da Noite de Serenatas. 

A este propósito afirmou a organização o seguinte:

 

"Atravessamos, concluí-se, tempos estranhos, onde a moralidade que deveria presidir de forma elevada a actos como sendo um certame de Tunas, começa a dar sintomas de padecer de falta de registo humanista, solidário e responsável, algo que este episódio - entre outros que vamos constatando, atónitos - reflecte de forma cabal.

Mormente um pedido de desculpas amenizar, o mesmo não explica nem justifica, quando se convida alguém com a devida antecedência a visitar a nossa casa. Não esperariamos mais que a retribuição do nosso convite em formato elevado e elegante, como uma recusa atempada ao mesmo atestaria e sem mais, libertando dessa forma o mesmo convite para outro convidado, como é absolutamente normal nestes processos.

Não são - felizmente - prática corrente e até à data, no contexto português, situações deste tipo e com esta tipologia tão desprestigiante para quem comete tal acto, algo que gostaríamos, mais do que evitar na nossa casa, evitar que ocorram futuramente na casa de outros, quando os anfitriões se prepararam ao largo do tempo para receber os seus convidados condignamente, com tudo o que tal implica numa organização de um evento desta natureza e num universo de tantas Tunas como temos. O sentido de Comunidade Tunante ainda existe e a ela pertencemos - mesmo em tempos estranhos como estes que vamos vivenciando, onde o grotesco vai acontecendo.

Que sirva, pois, este lamentável episódio - e para além da denúncia pública do mesmo - para recolocar este fenómeno cultural naqueles que são os seus principios morais mais básicos e historicamente seus, servindo de futuro para evitar que tal venha a ocorrer seja onde seja, mesmo nestes tempos estranhos onde tudo se faz e se pratica sem se atender a qualquer critério minimamente coerente, justo e até legal, onde se atacam os mais básicos valores que devem presidir a qualquer Tuna dita e digna desse nome.

Fica o presente registo, mais do que a nota do facto. Que não se repita, nem aqui, nem em parte alguma. Se assim for, então pelo menos para algo terá este episódio servido."

O Portugaltunas agradece toda a disponibilidade da Estudantina Académica de Castelo Branco em nos receber para a cobertura deste evento. Desejamos a continuação do excelente trabalho.

Até para o ano!

João Afonso

Parceiros