Portugaltunas - Tunas de Portugal

A
/5 ( votos)

A "teoria" do "meu conceito" de Tuna...

Um Dos Maiores Equívocos Genéticos Tunantes

Não me restam muitas mais dúvidas a este respeito, salvaguardando uma ou outra mais preemente até por força do estudo empreendido desde há uns anos a esta parte. Em amena cavaqueira com um Tuno, dizia-me ele a dado passo que " ...e segundo o meu conceito de Tuna". Ora, aqui mora um dos maiores equívocos genéticos oriundos do "boom" tunante e que se prolongou até aos dias de hoje, com cada mais ênfase. É que, por muito que custe ler isto, não há, e no caso português, a ideia de "meu conceito de Tuna", lamento informar.

A imensa Babilónia de paletes e resmas de "meus conceitos de Tuna" é somente uma construção muito própria, individual e perfeitamente única que cada um faz quando chega a este mundo particular, não raras vezes confundido com o conceito "a minha forma de estar na Tuna" - uns assim, outros assado e por aí fora - e que se cruza com um 3º conceito ainda, que é a prática reiterada da Academia/Tuna onde se insere. Uma coisa será a forma que cada um tem de estar na Tuna, outra é ainda a forma como o seu meio o molda e define na sua atitude perante a Tuna. Agora, conceito de Tuna Universitária só há um, não há um por cada Tuno porque isso é um tremendo exercício de egoísmo egocêntrico que não raras vezes serve para auto-justificar coisas que, de outro modo, nunca fariam em casa, no trabalho, na sociedade em geral.

Evidentemente que "o meu conceito de Tuna" é um dos maiores inimigos da Tradição Tunante per sí, sem mais delongas, precisamente porque ao livre arbítrio de cada douta cabecinha e não inserido nas naturais linhas delimitadoras de um fenómeno cultural.

Imagine-se por disparate (!!??) que cada romeiro da Senhora da Agonia tinha o "seu conceito de folclore minhoto" ou então que cada Fallera Valenciana tinha o "seu conceito de Fallas": Corriamos o sério risco de ver Minhotas de mini-saía ou Falleras vestidas de bombeiro a apagar as fogueiras. Por aqui se percebe o risco tremendo de medir uma tradição cultural delimitada no tempo e espaço pelo nosso "conceito de Tuna".

Por força da explosão tunante de idos de 80/90 do Século passado, onde o fenómeno ultrapassou rapidamente a velocidade a que deveria ter andado, sem pontos de referência históricos onde se sustentasse, por falta do pensar a Tuna universitária, delimitando-a no tempo e espaço enquanto tradição cultural, tudo foi paulatinamente "permitido" à sombra do "meu conceito de Tuna". Esta frase é - e com o devido respeito - o Haiti de hoje da Tuna nacional, é um escombro sobre a Tuna, é a pilhagem da Tuna enquanto cultura, é a tragédia. É à sombra do "meu conceito de Tuna" que surgem "coisas" no seu seio dignas de algo que pode ter o seu valor intrínseco mas que de Tuna nada tem. Quem disse que o conceito de Tuna Universitária é algo democratico e democratizante, qual Wikipédia onde todos podem editar, cortar e colar?

Só há um conceito de Tuna Universitária. Há sim várias formas de a exprimir, de a reproduzir, que balizadas pelo óbvio, aceitável e digno, me parecem altamente interessantes. Daí em diante é o "conceito de Tuna" do Quim das Iscas que, de uma segunda para terça, se lembra de formar uma Tuna com sampler´s dizendo alto e bom som " é o meu conceito de Tuna". E isso, santa paciência, não é uma Tuna, é o que ele quer fazer pura e simplesmente á custa da Tuna.

A frase "o meu conceito de Tuna" para lá de uma tremenda irresponsabilidade, é de uma arrogância brutal, ofensiva da Tuna enquanto cultura e no limite, uma barbaridade que vai sustentando certas palhaçadas a que vamos assistindo.

Parceiros